Porque não posso estalar minha coluna?

A diferença entre a Correção / Ajuste do quiropraxista e o simples “estalo” do dia a dia.

estalo pescoço

Essa é uma pergunta frequente na Clínica de Quiropraxia quando os pacientes relatam que depois de estalarem seu pescoço ou sua coluna vertebral, sentem um alívio, e são surpreendidos por minha resposta negativa, de que isso PREJUDICA SIM a coluna vertebral.

A primeira pergunta que as pessoas devem se fazer é “Mas porque eu não posso se é o que o quiropraxista faz?”

  • VAMOS À RESPOSTA ENTÃO!

POR QUE AS ARTICULAÇÕES ESTALAM / CAVITAM?

articulação e cavitaçãoAs articulações da coluna são envoltas por uma cápsula (cápsula articular). Dentro desta cápsula existe o líquido sinovial, responsável por “lubrificar” a articulação. Esse líquido é composto por alguns gases. Quando é realizado um movimento rápido na articulação, há uma diminuição da pressão dentro desta cápsula, fazendo com que o gás do líquido sinovial se torne menos solúvel resultando na formação de bolhas que ao estourarem geram o famoso barulho do estalo, conhecido como “CAVITAÇÃO ARTICULAR”.

O QUE O QUIROPRAXISTA FAZ?

coluna subluxadaPor diversas situações do nosso dia a dia, como por exemplo, má postura, ficar muito tempo na mesma posição, fazer força de forma errada, dormir mal, sobrepeso, sedentarismo entre outras, as vértebras da coluna vertebral DESALINHAM, o que é chamado pelos quiropraxistas de SUBLUXAÇÃO VERTEBRAL (imagem ao lado).

Na subluxação vertebral, a vértebra, além de desalinhar, perde seu movimento normal e gera compensações musculares e ligamentares. Isso faz com que as vértebras acima e abaixo tenham “mais trabalho”, ou seja, acabam se movimentando mais que o seu normal.

 

ajuste cervical sentadoQUAL É O OBJETIVO DO QUIROPRAXISTA ENTÃO?

Corrigir esses desalinhamentos, devolvendo assim a posição e o movimento normal para a vértebra que desalinhou e consequentemente retirar a sobrecarga das vértebras adjacentes.  Para a correção o quiropraxista, através da palpação, analisa a posição da vértebra subluxada e faz manobras com linhas de correção exatas para devolver o alinhamento e movimento normal a ela. Isso é muito diferente de simplesmente estalar o pescoço, onde não há correção alguma, podendo até mesmo agravar as subluxações existentes.

 

QUAL O PROBLEMA DE SE “AUTO-ESTALAR” A COLUNA?

Você já deve ter percebido que as primeiras vezes que estalou sua coluna foram difíceis, e que com o passar do tempo, quanto mais estalava mais fácil ficava. Aí está o grande problema de criar o hábito do estalo. Como expliquei antes, quando uma vértebra está desalinhada, perde seu movimento normal e as vértebras acima e abaixo acabam ganhando mais movimento. Ao estalar a coluna, essas vértebras que já tinham excesso de movimento acabam ganhando mais ainda e em momento algum a correção dos desalinhamentos é realizada, e sim, quase sempre as subluxações são agravadas. Esse excesso de movimento acaba deixando as articulações instáveis, ou seja, mais susceptíveis às lesões e degeneração.

“O bem-estar após o estalo é questão de minutos e não resolve problema algum. O ideal é manter uma postura correta e um estilo de vida saudável e deixar os estalos e a correção dos desalinhamentos com o quiropraxista, que é o profissional especializado nisso!”

Devemos lembrar que levou tempo para o corpo atingir certo grau de degeneração, então é normal e compreensivo esperar um determinado tempo para sua recuperação.

Removendo-se a subluxação articular e devolvendo o bom funcionamento e uma congruência ideal para articulação, há um alívio dos sintomas e remissão da dor.

Procure um Quiropraxista e viva bem e com plenitude…

Para Agendar sua consulta ligue: 011-99466-2260

Atenciosamente;

Dr. Fabio Corsini Motta –
fabio.ipq@gmail.com
Quiropraxia Clínica – Escolha Quiropraxia e Viva bem.

Fonte

Muito além do “CRECK”

Muito além do “creck”

Muito além do “creck”Quando você ouve a palavra “Quiropraxia”, o que lhe vem à mente é algo parecido com a imagem ao lado? Então reveja seus conceitos!

Para a grande maioria das pessoas a Quiropraxia está diretamente associada ao som ocasionado por algumas técnicas utilizadas no tratamento. Os ajustes do tipo HVLA (High Velocity-Low Amplitude) impressionam pela velocidade e posicionamento para correção, bem como pelo “creck” que geralmente acompanha o movimento. Tais técnicas são perfeitamente seguras se realizadas por um profissional Quiropraxista devidamente habilitado após uma minuciosa avaliação do paciente. E, além disso, o escopo de atuação do quiropraxista formado de acordo com as diretrizes da OMS e do MEC estende-se para muito além da utilização de manipulação ou mobilização articular que produzem estalos, estralos, ou numa linguagem mais apropriada, Cavitação.

Muitas pessoas tem medo deste barulho e por isso tem medo de ir ao quiropraxista. Mas o que estas pessoas não sabem é que existem diversas outras técnicas que podem ser utilizadas, as quais não desencadeiam cavitação, nem mesmo utilizam movimentos rápidos e posicionamentos “radicais”. ImagemEntre elas podemos citar a técnica Activator Methods, SOT, técnicas diversificadas com uso de ‘drop’ (aquele mecanismo de alavancas presente na maioria das macas de Quiropraxia), Gastron, ART entre outras.

O quiropraxista devidamente formado, antes de partir para a aplicação de qualquer técnica em você, irá fazer uma avaliação minuciosa, adotando os procedimentos que melhor se adequam ao seu caso. Se você tem medo do estalo, comente com seu quiropraxista, pois assim o tratamento se dará por caminhos que sejam mais confortáveis para você.

Procure por profissionais devidamente habilitados com curso universitário.

Devemos lembrar que levou tempo para o corpo atingir certo grau de degeneração, então é normal e compreensivo esperar um determinado tempo para sua recuperação.

Removendo-se a subluxação articular e devolvendo o bom funcionamento e uma congruência ideal para articulação, há um alívio dos sintomas e remissão da dor.

Procure um Quiropraxista e viva bem e com plenitude…

Para Agendar sua consulta ligue: 011-99466-2260

Atenciosamente;

Dr. Fabio Corsini Motta –
fabio.ipq@gmail.com
Quiropraxia Clínica – Escolha Quiropraxia e Viva bem.

Fonte: Quiroblog

Contra DOR CERVICAL, QUIROPRAXIA e EXERCÍCIOS são MELHORES do que REMÉDIOS

Contra dor cervical, quiropraxia e exercícios são melhores do que medicamentos

Novas pesquisas mostram que consultar um quiropraxista ou praticar simples exercícios são ações mais eficazes para aliviar dores no pescoço do que depender de remédios contra a dor.

The New York Times, 3 de janeiro de 2012 Quiropraxia é melhor contra Dor Cervical / Pescoço do que Remédio segundo Pesquisa

O novo estudo é uma das poucas comparações que colocam lado a lado vários tipos de tratamento para dor cervical, um problema que afeta 75% dos norte-americanos em algum momento de suas vidas. Enquanto muitas pessoas procuram tratamento quiroprático, as evidências científicas sobre sua eficácia ainda são, na melhor das hipóteses, limitadas.

Mas o novo estudo, publicado nos “Anais de Medicina Interna” (The Annals of Internal Medicine), constatou que o tratamento quiroprático e simples exercícios feitos em casa foram mais eficazes na redução da dor do que o uso de medicamentos como aspirina, ibuprofeno ou narcóticos (tais como morfina, heroína e di-hidrocodeína).

“A diferença no resultado entre os tratamentos foi diminuindo ao longo do tempo de observação, mas continuaram existindo,” disse o Dr. Gert Bronfort, um dos autores do estudo e professor de pesquisa naNorthwestern Health Sciences University in Minesota. “Mesmo após um ano de observação, ainda haviam diferenças entre o grupo que utilizou medicamentos e o que fez quiropraxia.”

Dores cervicais moderadas e agudas são alguns dos mais frequentes motivos que levam uma pessoa a procurar atendimento médico, gerando milhões de consultas todos os anos. Para os pacientes pode ser difícil lidar com este problema. Em alguns casos a dor e a rigidez surgem sem explicação, e há muitas opções de tratamento. Fisioterapia, analgésicos e manipulação espinhal são as opções mais comuns, mas o Dr. Bronfort quis descobrir porque existe tão pouca pesquisa relacionada ao tema.

“Existia um vazio na literatura científica em termos de quais são os melhores tratamentos,” ele disse.

Dr. Gert BronfortPara realizar a pesquisa, o Dr. Bronfort e seus colegas recrutaram um grande grupo de adultos com dor cervical sem causa específica. Os sujeitos, ao todo 272, foram contatados através de um grande plano de saúde e anúncios. Então os pesquisadores dividiram os participantes em três grupos, e os acompanharam por 3 meses.

Um dos grupos foi designado para consultar o quiropraxista em consultas de aproximadamente 20 minutos ao longo da pesquisa, fazendo uma média de 15 consultas. O segundo grupo foi designado para utilizar remédios comuns contra a dor como Paracetamol e – em alguns casos, com indicação médica – medicamentos mais fortes como narcóticos e relaxantes musculares. O terceiro grupo se encontrou duas vezes com fisioterapeutas que os instruíram a realizar exercícios simples e leves para o pescoço, os quais podiam ser feitos em casa. Eles foram aconselhados a fazer de 5 a 10 repetições de cada exercício, pelo menos 8 vezes ao dia.

Após 12 semanas, as pessoas nos grupos que não usaram medicamentos estavam significantemente melhores que aquelas que utilizaram medicamentos. Cerca de 57% daqueles que consultaram quiropraxistas e 48% dos que fizeram exercícios relataram que sentiam 75% menos dor. Já no grupo que utilizou medicamentos a redução da dor foi de 33%.

alivio da dor

Um ano depois, quando os pesquisadores voltaram a checar os resultados, 53% dos sujeitos que receberam tratamento quiroprático continuaram relatando pelo menos 75% de redução da dor, resultado similar ao encontrado no grupo dos exercícios. Mas entre os que usaram medicamentos, houve apenas 38% de redução da dor.

Dr. Bronfort disse que foi uma “grande surpresa” ver que os exercícios caseiros foram tão eficientes quanto as seções de Quiropraxia. “Nós não esperávamos que os resultados seriam tão próximos”, ele disse. “Mas eu acho que estas são boas notícias para os pacientes.”

Além da limitada capacidade de redução da dor, os medicamentos tiveram pelo menos mais um ponto negativo: as pessoas continuavam a toma-los. “Um ano depois, as pessoas do grupo dos medicamentos continuaram usando uma grande quantidade de medicação mais frequentemente do que durante o período de acompanhamento da pesquisa,” disse o Dr. Bronfort. “Se você continuar tomando medicação por um longo período, então você está correndo mais riscos de desenvolver sintomas colaterais causados pelos medicamentos, tais como problemas gastrointestinais.”

Ele também demonstrou preocupação com o fato de que a dependência dos remédios faz com que a pessoa não seja ativa no tratamento e não tenha domínio sobre sua condição física, diferentemente dos outros grupos.“Nós achamos que é importante os pacientes serem habilitados a ter o máximo de controle sobre sua condição física,” ele disse. “Este estudo mostra que eles podem desempenhar um importante papel no seu próprio tratamento.”

Devemos lembrar que levou tempo para o corpo atingir certo grau de degeneração, então é normal e compreensivo esperar um determinado tempo para sua recuperação.

Removendo-se a subluxação articular e devolvendo o bom funcionamento e uma congruência ideal para articulação, há um alívio dos sintomas e remissão da dor.

Procure um Quiropraxista e viva bem e com plenitude…

Para Agendar sua consulta ligue: 011-99466-2260

Atenciosamente;

Dr. Fabio Corsini Motta –
fabio.ipq@gmail.com
Quiropraxia Clínica – Escolha Quiropraxia e Viva bem.

Fonte: ‘The New York Times’; 3 de janeiro de 2012; – http://well.blogs.nytimes.com/2012/01/03/for-neck-pain-chiropractic-and-exercise-are-better-than-drugs/

Fonte: Quiroblog